IMPACTO DAS MORATÓRIAS NO MERCADO IMOBILIÁRIO

Afinal o que são moratórias? Para que servem? São um instrumento útil?

Vamos por partes.

As moratórias são um instrumento legal que permite suspender as prestações hipotecárias durante um período de tempo acordado entre o cliente e a instituição bancária. Com isso, o cliente evita entrar em incumprimento e perder a casa. Na prática está a adiar o pagamento das prestações mensais, por estar em situação financeira delicada.

No atual contexto de pandemia que gerou uma onda de redução de salários, o encerramento de vários negócios e consequentemente o desemprego, as moratórias tornaram-se requisitadas. Os bancos com este mecanismo deixam de estar em stress e a liquidez do sistema não é posta em causa. Por agora, há um fingimento de que está tudo bem, mas a realidade é que esta fatura terá de ser paga.


Segundo os dados do Banco de Portugal, até 2021, o valor das moratórias poderá ascender os 2.000 milhões de euros. Na minha opinião esta fatura que poderá não ser paga, irá ter consequências catastróficas no mercado imobiliário em 2022. As famílias que não conseguirem pagar, irão perder as suas casas, aumentando a oferta do mercado. Naturalmente em alguns segmentos os preços poderão baixar, sendo que o quanto, não sabemos, tudo irá depender da procura versus oferta. Mas será que não devíamos aprender uma lição, e mudar o paradigma em que estamos mergulhados?

Num mercado imobiliário alavancado no excesso de endividamento das famílias, não seria melhor estimular o mercado de arrendamento com políticas sérias Com planeamento a longo prazo, onde houvesse uma maior oferta de imóveis? Não seria melhor alavancar a construção de novos edifícios para o mercado com custos controlados e pensados para o real poder de compra, baseado no salário mínimo português? Será isto uma utopia?

Deviamos abrir um debate público e honesto com todos os agentes e debater construtivamente soluções para uma gigantesca oportunidade de criação de valor para o sector imobiliário. Saíamos todos a ganhar, o PAÍS SAÍA A GANHAR!

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Mais
artigos